sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Trabalhando a escrita com epilínguagem e metalinguagem


ALMEIDA, Valtenia de .
CAMPOS, Rosalice Gonçalves.
TELES, Julie Cristina dos Reis.
SOUZA, Rozani Maria de França



No planejamento de produção escrita é necessário compreender o quanto é importante a utilização de atividades que levem o aluno a pensar de forma critica e ativa, pois só assim ele se envolverá com ela a ponto de desenvolver as capacidades necessárias ao seu desenvolvimento escolar e adquire competências leituras.
 Para que de fato essa aprendizagem com
sciente da produção de textos se concretize é necessário que o aluno seja levado a pensar sobre o que está fazendo, o porquê de estar fazendo e principalmente para que. Todos estes questionamentos farão com que o aluno valorize o que está aprendendo e tenha prazer em aprender, pois verá uma utilidade, ou seja, perceberá que tudo isto faz parte do seu contexto, da sua vida. Ao pretender formar produtores de textos que tenham um papel ativo na relação comunicativa é de suma importância ter em mente que este aluno deve ser levado a construir todos os tipos de texto que circulam no seu meio social:
Enfim, o exercício de produção de texto e da leitura enquanto interpretação crítica deve ser sempre valorizada na fase de escolarização do aluno, para que ele se torne uma pessoa letrada capaz de se mostrar ativo em qualquer situação de leitura e escrita presente no seu dia-a-dia. E para, além disso, se tornar um cidadão consciente de seu papel social, que conhece seus direitos e deveres e luta para que eles se efetivem.
. Para tanto, é necessário a realização de atividades de epilinguagem, entendo esta como “o exercício da reflexão sobre o texto lido/escrito e da operação sobre ele a fim de explorá-lo em suas diferentes possibilidades de realização” (MILLER). E também de atividades de metalinguagem que é “a capacidade de falar sobre a linguagem, descrevê-la e analisá-la como objeto de estudo” (MILLER). Com este trabalho o aluno perceberá como essas regras gramaticais são “usáveis”, tem utilidade na construção de um texto seja ele escrito ou oral. E que elas não são alheias ao seu cotidiano e vivência.

MILLER, Stela. O trabalho epilinguístico na produção textual escrita. UNESP. GT nº 10 Alfabetização, Leitura e escrita.

Palavras-Chave: Escrita; Epilinguagem; Metalinguagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário